quinta-feira, 31 de julho de 2014

CARLOS QUEIRÓS - Canção Grata

Foto: Canção Grata

Por tudo o que me deste: 
— Inquietação, cuidado, 
(Um pouco de ternura? É certo, mas tão pouco!) 
Noites de insónia, pelas ruas, como um louco... 
— Obrigado, obrigado! 

Por aquela tão doce e tão breve ilusão. 
(Embora nunca mais, depois que a vi desfeita, 
Eu volte a ser quem fui), sem ironia: aceita 
A minha gratidão! 

Que bem me faz, agora, o mal que me fizeste! 
— Mais forte, mais sereno, e livre, e descuidado... 
Sem ironia, amor: — Obrigado, obrigado 
Por tudo o que me deste! 

CARLOS QUEIRÓS, in 'Obra Poética'

Arte: Anjana Ilyer
Arte: Anjana Ilyer
Canção Grata
 José Carlos Queirós Nunes Ribeiro 
 Lisboa, 5 de abril de 1907 -  Paris, 27 de outubro de 1949


Por tudo o que me deste: 
— Inquietação, cuidado, 
(Um pouco de ternura? É certo, mas tão pouco!) 
Noites de insônia, pelas ruas, como um louco... 
— Obrigado, obrigado! 

Por aquela tão doce e tão breve ilusão. 
(Embora nunca mais, depois que a vi desfeita, 
Eu volte a ser quem fui), sem ironia: aceita 
A minha gratidão! 

Que bem me faz, agora, o mal que me fizeste! 
— Mais forte, mais sereno, e livre, e descuidado... 
Sem ironia, amor: — Obrigado, obrigado 
Por tudo o que me deste! 

*        *        *
In 'Obra Poética'

Um comentário: